Membros Participantes

quarta-feira, fevereiro 13, 2013

8

Alan 8001

Alan 8001
É sem dúvida um dos mais belos transceptores da faixa do cidadão, com design rigorosamente detalhado, oferecendo ao radio-operador inúmeras funções que nenhum outro equipamento ofereceu em um rádio só, como ilustra a foto abaixo:

DESIGN ÚNICO - elegante ALAN 8001
Com o seletor de canais localizado ao centro, o estilo do painel impressiona pela singularidade, traço claro da empresa CTE, que sempre prezou pela beleza, originalidade e funcionalidade; os leds de comutação TX/RX também ao centro e funcionando em separado, dão um toque extra no visual. É realmente único!
A bem da verdade, se você pesquisar sobre os equipamentos da CTE, vai perceber na maioria dos transceptores um traço do design pré-existente, que só foi culminar em sucesso no lançamento do 8001, que é um modelo que eu chamaria de, a soma de todos.


No modelo 8001, a delicadeza e robustez está em tudo, e como se já não bastasse o seletor de canais estar localizado ao centro, o aro de metal junto ao botão emborrachado localiza na serigrafia MHz o número do dígito correspondente ao display. Portanto, é o único rádio que, mesmo estando desligado, é possível saber qual é o dígito do canal. Se você acha que a soma de todos os detalhes não o torna um transceptor único, pense e reflita se existe outro que ofereça uma riqueza tão grande de detalhes, aliado a uma aparência tão elegante. Realmente não há!

Internamente podem haver semelhanças nas PCB's utilizadas nos Ranger e no paraguaio Voyager, mas dizer que são exatamente a mesma coisa é inobservância de detalhes intrínsecos, e empiricamente, acredito que o idealizador deste transceptor conhecia tão intimamente os pontos fortes e fracos dessa PCB, inclusive detalhes de seus componentes e suas falhas, que usou todos os recursos possíveis a seu favor, enquanto a concorrência, se é que podemos chamar qualquer outro equipamento da época de concorrente, digo por conta do nível e superioridade do produto em si, "até hoje" não conseguiu fazer funcionar algumas funções nativas dessa "mesma" placa... o que distanciou ainda mais o modelo CTE das demais marcas que se utilizam da mesma plataforma.
Será por que ou do que estou falando?!  Continue a leitura...

SERIGRAFIA NAS TAMPAS É UMA CARACTERÍSTICA CTE

➡Funções e adendos:

Possui as funções básicas como todo rádio tipo exportação, que são os 271 canais, chave +10khz para acessar os canais de telecomandos; roger beep de final de câmbio; leitor de ondas estacionárias manual; filtro NB ótimo em todos os modos, e tem também o diferencial do leitor de nível de modulação, que "deveria ser" incrivelmente funcional (se funcionasse) no modo AM - recurso interessante, olhe na foto:


Para acessar este recurso é fácil, no modo Amplitude Modulada - AM, basta acionar a tecla que fica no canto direito inferior do painel de funções e "ter fé"... porque em muitos exemplares esse recurso funciona muito mal, vide foto:


Um detalhe interessante desse "leitor" de modulação é que ele em partes limita a atuação do roger beep no modo SSB, e é por este motivo que todo Alan 8001 "original", no modo SSB têm o beep mais suave se comparado com outros rádios. Quer fazer o teste? Desconecte o fio roxo que é soldado no jumper próximo ao capacitor de entrada; isso desativa a função de leitor de modulação e ao mesmo tempo solta a pancada do beep, mas como expliquei, desativa a função de leitor de modulação. Particularmente prefiro original.
  • Para que o leitor de modulação serve?
De acordo com o controle de potência e o ganho de áudio é possível fazer a leitura da modulação e assim determinar a quantidade de áudio que irá utilizar para transmitir. É uma função nativa no Alan 8001 que deveria servir de exemplo para outros modelos de equipamentos, mas que na realidade, infelizmente não funciona muito bem.
Para o "leitor de modulação" atuar em plenitude (entenda que não se trata de aumentar a modulação, e sim corrigir o leitor), você deve alterar o valor da resistência de acoplamento no circuito do leitor de modulação utilizando na entrada de microfone um sinal de 1 KHz, e deixando o leitor dentro do limite 30 dB da escala S, porque dessa forma o monitor de modulação, após "redefinido", não vai entender o áudio do equipamento somente nos extremos. Explicando melhor, o rádio original, mesmo que você abra todo o áudio no controle de ganho de microfone ou faça alterações no ganho de microfone na placa, vai mostrar pouca modulação, então é necessário acertar todos os parâmetros primeiro, deixando o equipamento original, para depois mexer no circuito de leitura, e é somente isso que deve fazer. Você vai alterar somente um resistor... mas lembre-se, precisa deixar todo o áudio original para que essa leitura seja fiel; lembre-se que o áudio não deve estar na zona de saturação.
Posteriormente se você quiser adicionar um pré-amplificador ou se quiser alterar os resistores de entrada para admitir mais áudio, a leitura do modulômetro será suficiente para você ajustar o áudio dentro de um limite de qualidade, seja no trimpot do ALC, ou mesmo limitando no ganho, lembrando que limitando no ganho de microfone tornaria todas as modificações precedentes sem sentido.

Continuando... frequencímetro de 5 dígitos e câmara de eco analógica sem ajuste externo. Um detalhe muito positivo sobre essa câmara de eco "sem ajuste" é que embora sejam péssimas para repetição, são ótimas para efeito de "compressor de áudio". O frequencímetro para este modelo existem 3, um que é bem antigo e lento, também gera um ruído quando está ligado e que apresenta muito mal contato nas conexões, além de necessitar de uma modificação junto ao integrado, porque se você optar por utilizá-lo original, um dos 2 modos de SSB terá a frequência desorientada em 2 KHz; o segundo modelo de contador de frequência surgiu no final dos anos 90, e se assemelha aos atuais, porém continua com leitura lenta, mas esse modelo não faz leitura equivocada, e o terceiro e mais atual, muito semelhante aos Ranger utilizados no Mega Star, rápidos e precisos. Em todos os 3 modelos, o painel do frequencímetro têm placa diferente. Isto é, d modelo antigo para o mais recente, não há possibilidade de fazer atualização plug and play, é necessário muito trabalho e muito fio descascado, já no segundo modelo e o terceiro, pode-se fazer a transição numa boa.

  • Voltando à câmara de eco analógica...

A muitos anos eu falo do efeito positivo dessa câmara de eco em qualquer transceptor, pois a utilização desta possibilita a modulação com uma pegada diferenciada, mesmo em se tratando de rádios pequenos ou somente com o modo AM. Dessa maneira, o conjunto, digo rádio e funcionalidades, é voltado à modulação de qualidade, à boa conversa, não sendo direcionado ao "balaieiro de plantão".
Muitos destes transceptores foram destruídos por conta da ansiedade em ter acesso aos ajustes da câmara de eco...

O controle de potência desse rádio tem uma característica singular. Naturalmente esse ajuste funciona com o mesmo modo de ligação e da mesma forma na maioria dos rádios que utilizam essa PCB (placa), sendo por exemplo, nativo nos transceptores da Voyager o controle de potência ligado num fio na parte superior da PCB, unindo o potenciômetro PWR ao trimpot VR12 para regular a potência no modo SSB. No entanto, no Alan 8001, no modo SSB, para realmente atuar na baixa potência, as bobinas do carrier devem estar exatamente na frequência do manual de serviço. Além disso, existe um cabeamento e um diodo junto ao cristal de carrier que introduz função ao trimpot VR16 de acordo com  o clock das bobinas. Entenda clock como o ajuste ideal do osciloscópio.


Portanto, o VR16 controla as potências mínimas, enquanto o VR12 limita a potência máxima a um nível relativo de calor. Faço esse adendo por conta do ajuste que costumeiramente é feito nas bobinas L27 e L28 para se obter burramente alguns poucos watts. Caso essas bobinas estejam fora da frequência citada no manual de serviço, esse ajuste de potência deixa de atuar no modo SSB, além do detalhe de causar uma leve portadora na recepção do modo USB, mesmo sem antena; faça o teste!
Agora entende o porquê de eu citar o conhecimento íntimo do idealizador desse transceptor?!
Calma que tem mais.
  • ➡A potência:
A linha Alan 8001 utiliza originalmente transistores 2SC2312 e incrivelmente atingem a marca dos 45/48/50w SSB.
Lendo o Datasheet do transistor (disponível aqui), há de se abrir uma lacuna na imaginação com a pergunta:

-Como?
Comentei no início dessa postagem, o idealizador deste transceptor conhecia intimamente os detalhes do esquema elétrico...
➡O pulo do gato é que uma das bobinas do PA possui senoide "defeituosa" propositalmente. Era padrão na linha CTE adquirir esse tipo de bobina - TOKO, levando em consideração essa senoide problemática, e isso faz com que esse modelo de equipamento tenha um rendimento além da média considerada normal. Existe outro rádio nessa mesma linha que utiliza esse recurso, o Galaxy Pluto, também alguns SUPERSTAR 3900, não todos.


Como a onda não arrasta matéria, somente a corrente o faz, o formato senoidal permite que as vogais mais altas (que são corrente alternada) decolem/impulsionem essa corrente, permitindo pequenos surtos de potência PEP na casa dos 45/48/50 Watts (SSB), ao passo que a PCB com componentes "ideais" da concorrência, mal conseguia 36 Watts utilizando "exatamente" as mesmas peças, entendeu o gigante salto do felino?!
Pode parecer brincadeira, mas não é, recomendo que, caso possua esses transceptores completamente originais, que faça os experimentos, vai se surpreender. Retire as bobinas do PA virgem do 8001 e experimente em seu VR9000, vai ver o rádio original saltar de 36 para quase 50w só com essa alteração.

São gritantes 14 Watts de diferença em pico que na prática definem quem iria conseguir fechar um País, ou contato em propagação sinal de ruído... lembre-se que é equivalente a potência de um Cobra 148 GTL "a mais"... é muita coisa!
Mas não adianta utilizar seu velho wattímetro de ponteiro, precisa de um digital para obter essa leitura, ou um que possua a função Hold (Congela os picos maiores de potência).

Nesse sentido - detalhes, a CTE partia na frente com pequenas modificações no circuito eletrônico a fim de inaugurar funcionalidades jamais vistas em outros transceptores. Mas lembra que comentei sobre uma possível alteração nas bobinas de carrier para que o ajuste de potência permaneça atuante?
Então, da mesma forma precisam estar atuantes para que a bobina do PA sofra o efeito mencionado.
  • Não entendeu?
Se algum curioso palitar as bobinas, o ajuste de fábrica que determina esse salto de potência na casa dos 50w perde o efeito, perde também o ajuste de potência da máxima para a mínima nos modos AM/SSB nas bobinas de carrier.
Comprou seu rádio usado e não apresenta essas funções descritas?
Que triste... você comprou um rádio que foi palitado por curiosos...
Comprou de algum colecionador?
Confira todas as funções e venha aqui relatá-las... é sempre um prazer.

Adendo: O transceptor "primo" do Alan 8001, o Galaxy Pluto, embora possua suas próprias peculiaridades e diferentes vantagens, é montado rigidamente nos mesmos padrões citados acima, e com os notáveis 2sc2312 atingem a mesma marca de 45/50 watts.
Esses rádios não ficaram famosos atoa...


➡Desta forma ficam:
4W PWR fechado e 10W AM/FM PWR aberto, e até 5W PWR fechado e até 50W PEP aberto SSB. Se tiver sido alterado por pessoas sem a devida observação, normalmente estaciona nos 28/30 Watts no modo SSB...

Aliado ao recurso mór do formato de onda da bobina para lograr sucesso em contatos a longa distância, a largura de banda não passa de 1.7k, sendo desta forma, uma vaselina na propagação. Agora entende porque utilizar uma câmara de eco que encorpa mais o áudio ao invés de apenas servir de reverb?
É tudo interligado nesse equipamento.


➡Os botões são de borracha - knobs - estragam com facilidade quando expostos diretamente ao sol ou em ambientes fechados com altas temperaturas ou umidade excessiva - mofo. Ou seja, não é ideal para Estações móveis, embora tenha sido construído para isso, e outro detalhe, a borracha utilizada na confecção dos botões pode sofrer ação química por conta da sujeira nas mãos (suor, derivados de petróleo, gordura dos alimentos), a isso se chama reticulação e cisão molecular seguida de rachadura e por isso precoce degradação. Nesse sentido, mão suja pode abreviar a vida útil desses botões. Definitivamente, é um rádio para ter em casa, protegido da luz solar, calor excessivo e longe de "mãos sujas". Lave as mãos antes de utilizá-lo.
Transceptor europeu... com certeza idealizado para veículos de luxo.


Além dos botões frágeis, outro ponto fraco está nas chaves de comutação dos modos A, B, C, D, E, F e AM, FM, USB, LSB, que após longos anos de uso costumam oxidar os contatos internos, e com essa oxidação, o (mal) contato elétrico influencia diretamente no modo SSB, dando impressão de transmissão borbulhante, aparentando similaridade à falta de alimentação, quando na verdade o "borbulho" é sintoma da oxidação dessas duas chaves. Os trimpots com o tempo ficam pretos e perdem a ação. Troque as duas chaves e os trimpots assim que possível. Procure um técnico de confiança para realizar essa modificação. É uma alteração muito positiva, que visa aumentar a vida útil desse transceptor e prioriza o bom funcionamento.

O Alan 8001 seria simplesmente excelente em todos os sentidos se não fossem estes pequenos detalhes, mas se você conseguiu corrigir pelo menos os "detalhes técnicos", seu rádio faz parte de uma pequena amostra do que há de melhor em radiocomunicação. Quem te escuta, agradece.

➡Este rádio merece a frase abaixo:
"Frágil, cuidado no manuseio. Não projetado para curiosos e pessoas que não gostam de lavar as mãos rsrsrsrs 

➠Caso queira adicionar algum detalhe, experiência vivida com este equipamento ou dúvidas, comente abaixo.


É possível alterar o circuito de saída para Mosfet, contudo, necessitará substituir as bobinas L27 e L28 a fim de saltar dos 1.7k para os 2.4k e assim aproveitar melhor os transistores, uma vez que a não substituição destes caracterizaria tal mudança como um downgrade, uma vez que os transistores originais "neste equipamento" já alcançam a marca dos 50 watts.
  • Os botões do Alan 8001 estragaram?
Como dito acima, perder os botões emborrachados por degradação é infelizmente algo comum nesse modelo, e a solução mais barata e viável que encontrei é apelar para a sucata de outros equipamentos e uma latinha de tinta. Os pequenos botões do Cobra 148 GTL servem perfeitamente, basta utilizar tinta spray preto fosco para dar acabamento e pronto, seu rádio está com o visual em dia novamente.
Como se trata de pintura em plástico, é necessário passar seladora nos botões antes de aplicar a pintura, desta forma o acabamento fica perfeito e a tinta não sai com o manuseio.
Confira na foto:

O spray comum Preto Fosco oferece esse efeito aparentemente opaco, parecendo ser um botão emborrachado.


Na ausência dos botões originais, estes servem perfeitamente.


A aparência final possibilita um reavivamento do que há de mais elegante neste modelo que é seu visual.
Gostaria de dividir sua experiência conosco?
Escreva abaixo...

((•)) Ouça este post

8 comentários:

Ri St disse...

Tenho um alan8001 plus,seu audio em ssb é distorcido,ao calibrar as bobinas,diminui a potencia,mas melhora o audio.Já o alan 8001 tem audio muito superior(tenho um que nao vendo nem troco)!

Rondon Neto disse...

Alemao, o Voyage VR9000 é bom? (nao estou falando do MKII nao).

joao alexandre disse...

Péssimo rádio..só tem beleza.

Mecânica Da Informática disse...

PARA pessoa leigo no assunto como eu,como destinguir PX 8001 ORIGINAL dos outros 8001 ?

Mecânica Da Informática disse...

Estou interessado em um original para comprar,só que tenho medo de comprar "gato por lebre". É para colocar em caminhão. Att

STORTPX RAMON OTERO disse...

Caro amigo uma maneira de saber e que o 8001 original apresenta dois display a da frequência e o do canal ao mesmo tempo e o segunda so apresenta um ou vc vê a frequência ou vê o canal ok abraço

Alessandro Ghiotti disse...

Esse da postagem é original...porém é uma nova versão....

Alessandro Ghiotti disse...

Esse é original porém é uma nova versão da marca

Cadastre seu e-mail para receber novidades

Sem instrumentos, não adianta!

Sem instrumentos, não adianta!
clique na imagem

Postagem em destaque

Consertando e ajustando pastilhas de wattímetro Bird

"Para aqueles que acham que este instrumento é incorruptível", é bom saber que os wattímetros Bird usam elementos removíveis, cha...

→ TVi ↓

TVi é um dos problemas mais sérios que o radio-operador pode sofrer. Pensando nisso, aqui vai algumas dicas seguras sobre como evitar este problema.

1º Cabo: Tem gente que acha que é só soldar o fio no conector e está tudo certo. Ledo engano!

Antes de soldar o conector, certifique-se que a malha esteja totalmente prateada, brilhando. Caso não esteja, substitua o cabo, ele está oxidado. "É normal a ação do tempo".

2º Conector: Verifique a qualidade do conector no ato da compra, e caso o conector esteja a anos sendo utilizado (ou guardado), passe uma lixa fina por dentro no local onde encaixa a malha. Não deve haver nenhum tipo de sujeira ou sinal de oxidação.

3º Conector fêmea do rádio: Utilize uma chave de estria tamanho 19 e aperte a porca. Mal contato é um problema sério. Verifique a solda interna após o reaperto.

4º Não utilize antena tipo 5/8 caseira entre prédios e condomínios que estejam em locais mais altos que sua estação à distâncias menores de 10 metros. Lembre-se que a antena 5/8 irradia em ângulo reto, e a antena de tv do vizinho pode ser aquele famoso "bombrill".

Escolha sempre antena 5/8 industrial. Se for caseira utilize 1/4 de onda, pois seu lóbulo de irradiação aponta a ionosfera, ao invés do horizonte, como no caso da 5/8.

5º Não abra o ALC do equipamento - limitadores de áudio. O ALC libera espúrios. Ao abrir potência do equipamento, mantenha intacto o ALC, ou solicite que seja feito por um técnico que tenha posse de instrumentação, como analisador de espectro, e "que saiba usar". Da mesma forma que fazemos em nosso laboratório. Isso é imprescindível! Abrir ou aumentar potência não tem nada a ver com liberar ALC. Isso é para incompetentes e palitadores. Se abrir a potência do equipamento, lembre-se de deixar o ALC atuando.

6º Estacionária: Nunca se esqueça que estacionária baixa não tem nada a ver com ressonância. A antena pode estar com roe ótima em determinado local, mas não estar ressonando corretamente. Desta forma, não adianta ter rádio potente se o restante da Estação está aquém.

7º Identificar o "plano terra": Plano terra não tem nada a ver com antena plano terra. Você deve saber onde é o plano terra de sua Estação, e o mesmo não tem nada a ver com o solo. Descobrindo o plano terra, a partir dele você saberá qual é a altura ideal para sua antena. Respeitando esta regra, além do rendimento otimizado de sua Estação, jamais correrá riscos de TVi. Dúvidas?

Consulte-nos.

→ Dica de Segurança

A vantagem do Rádio na estrada, além da possibilidade de fazer grandes amigos, é saber o que está acontecendo lá na frente. Um possível deslizamento, bloqueio de pista, uma possível blitz falsa, assaltos, áreas perigosas, carros suspeitos e acidentes. Na verdade, o operador da Faixa do Cidadão precisa de muita malícia, porque em todo lugar haverá maldade e oportunismo. Já houve caso de amigo que quase foi morto em emboscada armada através de convites feitos na própria faixa. Pessoas que se passaram por radio-operadores o chamaram para tomar um café e o conhecer, e o mesmo foi, sem maldade nenhuma, mas estavam na verdade de olho em sua carga de remédios, relata João, Estação Cachorro Louco (Juiz de Fora MG). Portanto amigos, é possível sim fazer do rádio um ambiente saudável e seguro, basta denunciar quaisquer irregularidades e ficar atentos a desvios de conduta. Aproveite e faça sua parte, seja cordial, e JAMAIS se misture com radio-operadores que desrespeitam a faixa utilizado linguajar de baixo calão. Em caso de problemas, procure um posto da Polícia Rodoviária Estadual/Federal e denuncie.

Compartilhe!

→ WATTÍMETRO BIRD - SAIBA TUDO