Membros Participantes

quinta-feira, dezembro 05, 2013

5

Raios em veículos, cuidado!

Reza a lenda que raio não cai em carro porque está isolado com o pneu... ledo engano!
Entenda que, se está chovendo, logicamente os pneus estão molhados, portanto, não há rigidez dielétrica, ou em miúdos, há condutividade por causa da água. 
O bom senso leva o condutor a fechar a janela do veículo enquanto chove, e com essa atitude preserva a própria vida sem saber. As descargas atmosféricas são correntes alternadas, ou seja, passam por fora da superfície de metal, e possivelmente essa corrente  não vai te causar nenhum mal direto, a não ser que você esteja com os braços para fora da janela, aí sim, seus braços podem deixar de existir, e se o carpete original do veículo estiver encharcado e você descalço, "possivelmente" sofrerá algum dano residual... Outro detalhe, caso esteja modulando, já sabe, deve desligar o rádio.
Descarga elétrica em veículos NÃO É algo raro, acontece!
Caso esteja trafegando em tempestade, desligue o rádio, mantenha os pés calçados, e se estiver estacionado, mantenha-se dentro do veículo. Tenha certeza que o carpete e tapete não estejam molhados a ponto de conduzir corrente, e jamais toque em qualquer superfície de metal da estrutura do automóvel. 
Se for pego de surpresa por uma tempestade em local aberto e sem um carro para se proteger, deve ficar agachado. Em pé seu corpo funcionará como para-raios. Os pés também têm que ficar unidos. Ao atingir o solo, o raio se espalha de forma concêntrica. À medida que se afasta do centro, seu potencial elétrico diminui. Com as pernas afastadas, o potencial em um dos pés será maior que em outro e essa diferença permitiria a passagem de corrente elétrica pelo corpo.
Fique ligado, e com o tempo ruim (fechado) evite sair de casa.
Compartilhe esta mensagem com seus amigos e familiares.
73s
((•)) Ouça este post

5 comentários:

André Leão disse...

Amigo, li muitos dos seus artigos a respeito de radio comunicação e gostei muito, tem muito conhecimento. Mas falar que os pneus do carro não "isolam" pois estão molhados ou achar que os pneus poderiam "isolar" o carro de uma descarga proveniente de um raio não faz o menor sentido. Se um raio "atravessa" ou percorre alguns quilometros de ar até chegar no solo, que diferença faz alguns poucos centimetros da borracha dos pneus.

André Luiz disse...

me diz você.

André Luiz disse...

Sem links, quanto mais sem referência (fonte).
Argumente utilizando conhecimento que aprendeu.

André Leão disse...

Quem sou eu para falar alguma coisa sem referência. Se eu fosse um físico ou doutor no assunto com alguns livros escritos tudo bem, mas não é o meu caso, só reforço que não faz o menor sentido dizer algo em relação aos pneus do carro isolarem ou não no caso de uma descarga elétrica proveniente de um raio. Tanto faz se estiverem molhados ou secos.
O ar é o melhor isolante que existe, menos condutor do que qualquer outro meio físico (líquido ou sólido), logo, se um raio chegou até o carro, não vai ser alguns centímetro de borracha que vão fazer diferença. O que protege os ocupantes do carro é sim, é a "gaiola" de metal que o carro forma evitando que a descarga percorra os ocupantes e se disperse para o solo.

André Luiz disse...

é, mas está esquecendo de algo chamado rigidez dielétrica, mas honestamente, não vou discutir o assunto.
O espaço está aberto a plena participação, e todos podem (e devem) refutar, desde que o bom senso e o conhecimento vasto no assunto esteja à priori.
Não sei se percebeu, mas a linguagem em castas utilizada nesta página tem o seu porquê.
Feliz 2014!

Cadastre seu e-mail para receber novidades

Sem instrumentos, não adianta!

Sem instrumentos, não adianta!
clique na imagem

Postagem em destaque

Consertando e ajustando pastilhas de wattímetro Bird

"Para aqueles que acham que este instrumento é incorruptível", é bom saber que os wattímetros Bird usam elementos removíveis, cha...

→ TVi ↓

TVi é um dos problemas mais sérios que o radio-operador pode sofrer. Pensando nisso, aqui vai algumas dicas seguras sobre como evitar este problema.

1º Cabo: Tem gente que acha que é só soldar o fio no conector e está tudo certo. Ledo engano!

Antes de soldar o conector, certifique-se que a malha esteja totalmente prateada, brilhando. Caso não esteja, substitua o cabo, ele está oxidado. "É a ação do tempo".

2º Conector: Verifique a qualidade do conector no ato da compra, e caso seu conector esteja a anos sendo utilizado (ou guardado), passe uma lixa fina por dentro no local onde encaixa a malha. Não deve haver nenhum tipo de sujeira ou sinal de oxidação.

3º Conector fêmea do rádio: Utilize uma chave de estria tamanho 19 e aperte a porca. Mal contato é um problema sério. Verifique a solda interna após o reaperto.

4º Não utilize antena tipo 5/8 caseira entre prédios e condomínios que estejam em locais mais altos que sua estação à distâncias menores de 10 metros. Lembre-se que a antena 5/8 irradia em ângulo reto, e a antena de tv do vizinho pode ser aquele famoso "bombrill".

Escolha sempre antena 5/8 industrial. Se for caseira utilize 1/4 de onda, pois seu lóbulo de irradiação aponta a ionosfera, ao invés do horizonte, como no caso da 5/8.

5º Não abra o ALC do equipamento. O ALC libera espúrios. Ao abrir potência do equipamento mantenha a proteção ALC. Da mesma forma que fazemos em nosso laboratório. Isso é imprescindível. Abrir ou aumentar potência não tem nada a ver com liberar ALC. Isso é para incompetentes e palitadores. Se abrir a potência do equipamento lembre-se de deixar o ALC atuando.

6º Estacionária: Nunca se esqueça que estacionária baixa não tem nada a ver com ressonância. A antena pode estar com roe ótima em determinado local, mas ressonar lá na casa do...

7º Identificar o "plano terra": Plano terra não tem nada a ver com antena plano terra. Você deve saber onde é o plano terra de sua estação, e o mesmo não tem nada a ver com o solo. Descobrindo o plano terra, a partir dele você saberá qual é a altura ideal para sua antena. Respeitando esta regra, além do rendimento otimizado de sua Estação, jamais correrá riscos de TVi. Dúvidas?

Consulte-nos.

→ Power RF Aprenda ↓

Como saber a potência correta sem ser enganado?

Primeiro, pesquise sobre o DATASHEET do transistor do seu rádio, leia a respeito, verifique a potência máxima levando em consideração a voltagem do transistor. A base de cálculo é a fonte de alimentação, então o parâmetro é 13,8 volts.

Se apresenta 8A de consumo em amperímetro digital "com congelamento de pico máximo", basta multiplicar 13,8v por 8A e o resultado dividir por 2.66, eis a potência correta, que são 41,5 watts de envelope - PEP. Em miúdos, no assovio tem que dar 41,5 watts, e na modulação 60% por conta do péssimo modulador original, então restam quase 25 watts de modulação real. Viu porque não adianta palitar? Girar ou abrir posição de trimpot apenas gera mais calor, e calor é igual a perda. Quanto mais se aquece o transistor, mais fecha a entrada de gate quando aquecido, e por isso você precisa alterar alguns componentes na saída, porque eles impedem o rendimento da potência final (isso só serve para rádios PX).

Um rádio na atualidade - 2015 - original apresenta 20w PEP SSB em média, então você tem 13,8v X 4A de consumo, que é = 55.2w Dividido por 2.66 = 20,75w efetivos. Ou seja, fonte de 5A para esse rádio original toca com folga.

Rádios com upgrade apresentam consumo entre 12A e 16A "em média" para mais, então você tem 13,8v X 12A = 165,6W em calor (em perda) divididos por 2,66 = +- 60w que representa o % aproveitável, e em média máxima "para 13,8v". Com voltagens DC to DC na alimentação, essa potência pode ultrapassar os 100 watts aproveitáveis, mas não há área de dissipação, então não recomendo. A bem da verdade, eu literalmente pago para ver alguém conseguir reproduzir o sistema que patenteamos, DC to DC.

Se utilizar bateria de 12v, o consumo em amperagem é maior. Quanto maior a voltagem, menor consumo em amperagem, quanto menor voltagem, maior consumo em amperagem.

By: Lei de Ohm.

Medições fora deste parâmetro são equivocadas.

Fale comigo

→ Dica de Segurança

A vantagem do Rádio na estrada, além da possibilidade de fazer grandes amigos, é saber o que está acontecendo lá na frente. Um possível deslizamento, bloqueio de pista, uma possível blitz falsa, assaltos, áreas perigosas, carros suspeitos e acidentes. Na verdade, o operador da Faixa do Cidadão precisa de muita malícia, porque em todo lugar haverá maldade e oportunismo. Já houve caso de amigo que quase foi morto em emboscada armada através de convites feitos na própria faixa. Pessoas que se passaram por radio-operadsores o chamaram para tomar um café e o mesmo foi, sem maldade nenhuma, mas estavam na verdade de olho em sua carga de remédios, relata João, Estação Cachorro Louco (Juiz de Fora MG). Portanto amigos, é possível sim fazer do rádio um ambiente saudável e seguro, basta denunciar quaisquer irregularidades e ficar atentos a desvios de conduta. Aproveite e faça sua parte, seja cordeal, e não se misture com radio-operadores que desrespeitam a faixa utilizado linguajar de baixo calão. Em caso de problemas, procure um posto da Polícia Rodoviária Estadual/Federal.

Oferecimento:

PXJF YOUTUBEadio.com.br

→ WATTÍMETRO BIRD - SAIBA TUDO