Membros Participantes

domingo, junho 30, 2013

3

Wattímetro, em qual devo confiar?

Não há novos conceitos ou tecnologias avançadas quando se trata de medições de potência.
Temos no mercado wattímetros comuns, com apenas um ponteiro, e o famoso "Cross Needle", que faz leitura de potência irradiada e refletida simultaneamente.
(Indiscutivelmente  é instrumento indispensável!)
Entenda que, independente do tipo, marca e modelo, existem wattímetros passivos analógicos, ativos analógicos com leituras mais precisas, e digitais, que por sua vez são, em tese, mais confiáveis. Tudo vai depender da construção, ou seja, da estrutura, e não esquecendo o principal, da aplicação.
No caso dos digitais, a taxa de bits do processador determina a qualidade e rapidez do bargraph, ou seja, quanto mais rápido, melhor.
O wattímetro AV-20 para HF (PX e Faixa de amador) é o melhor custo benefício do mercado. É analógico/passivo, e tem ótima qualidade de "construção", é robusto; a serigrafia é bem equivocada no modo potência, mas a discrepância é suportável, erros de 7% nas potências abaixo de 60w foram observados.
KW725
Os wattímetros/medidores de potência passivos analógicos no modo AM, em geral (generalizando mesmo) funcionam melhor na posição PEP, mas definitivamente não fazem leitura PEP verdadeira; só o fato de ter que vencer a inércia do ponteiro já é um fator de impeditivo e de imprecisão para a maioria dos instrumentos de ponteiro. 
Por exemplo o wattímetro Bird 43, que ganhou fama por ser utilizado pelo exército americano -  aprendemos na formação em eletrônica que existem 3 tipos de componentes, os profissionais/de laboratório, que são utilizados em equipamentos de precisão e são super duráveis, os militares, feitos para suportar a utilização em meio a guerra, e os comerciais, que tem deterioração programada. Portanto, Bird é inegavelmente sinônimo de robustez, mas de longe é instrumento de precisão, ao passo que é inegavelmente um instrumento que não tem deterioração programada. 
A leitura do Bird 43 em Amplitude Modulada é tão boa quanto de qualquer outro instrumento "burro" passivo, e no modo SSB serve apenas para ajuste de rádios HF "com portadora ou geração de sinal no modo CW". Ou seja, é portadora do mesmo jeito. Fato é que qualquer wattímetro analógico passivo "é lento (inércia)" no modo SSB, e isso independe da construção/marca/modelo, e isso independe também da sua opinião.
Um acessório que melhora o funcionamento do Bird 43 é facilmente encontrado no ebay, possibilitando o instrumento de realizar leituras Hold, o que garante um funcionamento mais preciso nos modos de flutuação SSB.
PEP HOLD é o seguinte, explicando a grosso modo, seu rádio alcança 100 watts reais com portadora em CW, mas modula visivelmente cerca de 70 watts +- contínuos entre as vogais baixas e altas no modo SSB. A radiofrequência que o rádio emite não consegue vencer a inércia do ponteiro em tempo real - da voz ou do sinal em cw, o ponteiro não acompanha a velocidade das palavras ou dos beeps, mas a potência alcança os 100 watts sem que o instrumento seja capaz de ler essa potência, é o ponteiro que não consegue acompanhar a velocidade da voz. Então, se o seu wattímetro está "de verdade" com leituras defasadas  por conta da inércia do ponteiro, ele, na posição PEP HOLD, vai acusar os 100 watts reais naturalmente (lembrando que estou me referindo à wattímetros analógicos ativos), mostrando que a transmissão está flutuando entre os 70 watts em vogais baixas e a máxima de 100 watts em vogais altas. Os wattímetros analógicos - de ponteiro - ativos - possuem a função HOLD para mostrar os picos máximos reais "que são ignorados" pelos wattímetros passivos. Mas lembre-se, só vai acusar a potência máxima se o seu rádio estiver realmente com esta potência. A leitura HOLD não é mentirosa, pelo contrário.
PEP não significa leitura falsa, significa Peak envelope power.
É necessário entender esse conceito para perceber como se dá esse processo.
Caso não entenda este post, leia-o novamente com atenção.
Wattímetros analógicos "passivos" com leituras PEP é que "não podem servir de referência".
MFJ
A leitura mencionada acima - HOLD - só está disponível em wattímetros ativos (alimentados com 12v, 13,8v ou 110/220v). Jamais funcionam sem alimentação. Sem alimentação o ponteiro nem balança.

-Qual a diferença?
A diferença entre o wattímetro analógico passivo e o analógico ativo está na velocidade/tipo da leitura PEP. O circuito do wattímetro analógico ativo aplica um micro pulso que auxilia o ponteiro a trabalhar mais próximo da velocidade da voz, ajudando a leitura do ponteiro, vencendo a inércia do mesmo de forma mais rápida, enquanto o passivo depende unicamente da potência/voltagem que passa no instrumento para fazer leitura, tornando-a lenta, muita das vezes aquém, abaixo da real.

-Como saber se um wattímetro passivo é de qualidade?
Primeiro, a construção do produto. Pela marca você "supõe" a qualidade do instrumento.
Verifique no mercado se o produto é clone de outro. Não que possuir este produto seja má ideia, mas os clones possuem peculiaridades que diferenciam em alguma coisa do "original", justamente para não entrar naquela área que chamamos de plágio. Isso não quer dizer de jeito nenhum que os clones são inferiores. Alguns clones são ótimos, a exemplo o KW-725 e o Soundy do mesmo modelo. (Ambos são originalmente AVAIR) -  Os modelos KW525 e 325 também são fabricados pela AVAIR, assim como o Daemond (existem clones de todos esses). 
Pagar mais caro no Daemond é perda de dinheiro, o KW é a mesma coisa, mesmo fabricante, ambos cópias não fidedignas da Daiwa, ou, do Daiwa.
DAIWA 101L
A exemplo disso você pode comparar o Daiwa 101L com o Voyager KW725. A marcação de potência de ambos é fora da realidade; você deve levar em consideração apenas a leitura de 50 watts e 100 watts, e trabalhar com essas médias ignorando a serigrafia "entre" essas potências. Quem desenhou a marcação de potência desses instrumentos não tinha ideia do que estava fazendo.
Na comparação dos modos de utilização, qualificaria os dois da seguinte forma:
O  Daiwa é mais próximo do correto no modo AM se comparado com ele mesmo em flutuação - SSB, porque no modo SSB é muito lento, e essa lentidão é ruim para o instrumento.
O KW725 é mais rápido em flutuação - SSB, mostrando nesse caso, sua superioridade.
Sim, o Voyager  KW725 é melhor que o Daiwa 101L.

Caso queira medições com maior precisão, escolha os instrumentos "digitais".
DICA:
→Wattímetros analógicos passivos de qualidade que recomendo:
Bird, alguns modelos da marca japonesa Comet, na minha opinião, são os mais confiáveis, embora os modelos CN101L, CN102L  e CN103L sejam ótimos, são lentos demais. Temos disponível no mercado também os precisos porém preguiçosos Nissei RS-102 e o ninja MFJ-872, que é rápido como Bruce Lee, embora seja passivo.
→Wattímetros analógicos ativos de qualidade:
Indubitavelmente o Alpha, Ameritron e MFJ (mesma empresa), Drake WH7, Hansen FS-910H, Palstar, Vectronics, SGC, Yaesu YS2000, Swan MW3000 sendo este sem leitura Hold /PEP, - ambos  mencionados são +- da mesma linha -, Kenwood SW2000, Radiocraft 3000 Pro e TENtec. Todos estes são, sem a menor dúvida, excelentes!
A leitura HOLD destes instrumentos é espetacular.
LP-100A
Wattímetro digital é o instrumento de maior confiança que o técnico pode possuir em seu laboratório para aferir potência, mas não pode, em hipótese alguma, ser qualquer marca.
Assim como os analógicos, o wattímetro digital depende da construção (projeto), de peças de qualidade, caso contrário apresentará valores surreais, além de ruídos na transmissão e amostragens de interferência no osciloscópio, como a exemplo o ATU Pró, que causa ruído em HF, algo que poderia ter sido corrigido, e não foi. Outro problema é a relação AVG x PEP, que em alguns instrumentos a medição chega a ser absurda, com erros nas leituras acima de 8%, portanto, se quer comprar um instrumento digital, definitivamente não compre olhando o lado direito do cardápio, pois no Brasil eles são caros.
→Wattímetros digitais de confiança:
LP 100A ("na minha opinião" o LP-100A é o melhor wattímetro que existe em relação custo x benefício) ALPHA-4520 não fica atrás, mas é raro de encontrar. O ELECRAFT W2, MFJ-826B e 828 funcionam muitíssimo bem, mesmo com escalas de 16 bits, enquanto o LP100A é 32 bits; LDG DWM-4 também é muito bom.
MFJ-826B



((•)) Ouça este post

3 comentários:

Augusto PY3HAM disse...

Incluiria, na lista dos digitais de boa qualidade, os antigos modelos DP-810 e DP-830, da Daiwa... na minha opinião, muito bons!
Augusto - PY3HAM

Silva Bezerra disse...

Boa noite.
Alemao o watimetro avair 600 é analógico ativo ou passivo?
é que recebi um hoje aqui na estação.

André Luiz disse...

Passivo.
Muito bom, olha ai
http://www.eham.net/reviews/detail/2807

Cadastre seu e-mail para receber novidades

Sem instrumentos, não adianta!

Sem instrumentos, não adianta!
clique na imagem

Postagem em destaque

Consertando e ajustando pastilhas de wattímetro Bird

"Para aqueles que acham que este instrumento é incorruptível", é bom saber que os wattímetros Bird usam elementos removíveis, cha...

→ TVi ↓

TVi é um dos problemas mais sérios que o radio-operador pode sofrer. Pensando nisso, aqui vai algumas dicas seguras sobre como evitar este problema.

1º Cabo: Tem gente que acha que é só soldar o fio no conector e está tudo certo. Ledo engano!

Antes de soldar o conector, certifique-se que a malha esteja totalmente prateada, brilhando. Caso não esteja, substitua o cabo, ele está oxidado. "É normal a ação do tempo".

2º Conector: Verifique a qualidade do conector no ato da compra, e caso o conector esteja a anos sendo utilizado (ou guardado), passe uma lixa fina por dentro no local onde encaixa a malha. Não deve haver nenhum tipo de sujeira ou sinal de oxidação.

3º Conector fêmea do rádio: Utilize uma chave de estria tamanho 19 e aperte a porca. Mal contato é um problema sério. Verifique a solda interna após o reaperto.

4º Não utilize antena tipo 5/8 caseira entre prédios e condomínios que estejam em locais mais altos que sua estação à distâncias menores de 10 metros. Lembre-se que a antena 5/8 irradia em ângulo reto, e a antena de tv do vizinho pode ser aquele famoso "bombrill".

Escolha sempre antena 5/8 industrial. Se for caseira utilize 1/4 de onda, pois seu lóbulo de irradiação aponta a ionosfera, ao invés do horizonte, como no caso da 5/8.

5º Não abra o ALC do equipamento - limitadores de áudio. O ALC libera espúrios. Ao abrir potência do equipamento, mantenha intacto o ALC, ou solicite que seja feito por um técnico que tenha posse de instrumentação, como analisador de espectro, e "que saiba usar". Da mesma forma que fazemos em nosso laboratório. Isso é imprescindível! Abrir ou aumentar potência não tem nada a ver com liberar ALC. Isso é para incompetentes e palitadores. Se abrir a potência do equipamento, lembre-se de deixar o ALC atuando.

6º Estacionária: Nunca se esqueça que estacionária baixa não tem nada a ver com ressonância. A antena pode estar com roe ótima em determinado local, mas não estar ressonando corretamente. Desta forma, não adianta ter rádio potente se o restante da Estação está aquém.

7º Identificar o "plano terra": Plano terra não tem nada a ver com antena plano terra. Você deve saber onde é o plano terra de sua Estação, e o mesmo não tem nada a ver com o solo. Descobrindo o plano terra, a partir dele você saberá qual é a altura ideal para sua antena. Respeitando esta regra, além do rendimento otimizado de sua Estação, jamais correrá riscos de TVi. Dúvidas?

Consulte-nos.

→ Dica de Segurança

A vantagem do Rádio na estrada, além da possibilidade de fazer grandes amigos, é saber o que está acontecendo lá na frente. Um possível deslizamento, bloqueio de pista, uma possível blitz falsa, assaltos, áreas perigosas, carros suspeitos e acidentes. Na verdade, o operador da Faixa do Cidadão precisa de muita malícia, porque em todo lugar haverá maldade e oportunismo. Já houve caso de amigo que quase foi morto em emboscada armada através de convites feitos na própria faixa. Pessoas que se passaram por radio-operadores o chamaram para tomar um café e o conhecer, e o mesmo foi, sem maldade nenhuma, mas estavam na verdade de olho em sua carga de remédios, relata João, Estação Cachorro Louco (Juiz de Fora MG). Portanto amigos, é possível sim fazer do rádio um ambiente saudável e seguro, basta denunciar quaisquer irregularidades e ficar atentos a desvios de conduta. Aproveite e faça sua parte, seja cordial, e JAMAIS se misture com radio-operadores que desrespeitam a faixa utilizado linguajar de baixo calão. Em caso de problemas, procure um posto da Polícia Rodoviária Estadual/Federal e denuncie.

Compartilhe!

→ WATTÍMETRO BIRD - SAIBA TUDO